16/04/2017

Velocidade Furiosa 8 (The Fate of the Furious - 2017)





                Temos mais um Velocidade Furiosa, sendo o primeiro filme desde a morte de Paul Walker. Sem grandes surpresas, a saga de Dom e a sua família continua. Com o decorrer dos filmes, a escala de ação tem aumentado cada vez mais e isso tem resultado, pelo menos, em termos de bilheteiras, já que tem aumentado consideravelmente os lucros. Será que se conseguem ultrapassar tais marcos mais uma vez?
                Quando Cipher, uma ciber-terrorista, seduz Dom para uma vida de crime, à qual ele parece não conseguir escapar, surge um conflito com todos aqueles que lhe são próximos.
                Uma coisa é certa. O filme, tal como os outros, é muito divertido. Aqui, o realismo e as leis da física não existem e é, por isso mesmo, que se consegue passar um bom momento no cinema. É que, ao contrário de outras sagas (como em “Transformers”), todo o realismo é aceite pois já temos uma ligação com as personagens e já não nos admiramos com as suas proezas. E, como foi mostrado no trailer, desta vez temos um submarino para derrotar! O que vai ser a seguir? O espaço? É esperar e aguardar. Mas, ao menos, aqui temos mais corridas e ação com carros, algo que estava com tendência a diminuir.
                Pelo que vemos, tudo certo que parece que Dom está contra a família. Mas este também não é o primeiro filme que vemos, por isso, facilmente se consegue descobrir que, no fim, tudo volta ao lugar devido. No entanto, o conflito e tensão foram bem criados e, quando vemos Dom contra, basicamente, toda a gente, vemos cenas de ação muito bem conseguidas.
O gang habitual está de volta, com o agora recorrente Dwayne Johnson e com o vilão do filme anterior, Jason Statham. É, aliás, entre estes dois que temos muita da comédia de todo o filme. Os restantes elementos pouco acrescentam às suas personagens - também não era preciso muito, basta que se os seus papeis se mantivessem constantes. Em termos de novas entradas, temos a nova vilã, interpretada por Charlize Theronm que, de facto, é uma boa adição sendo uma presença intimidante; só é pena nunca entrar dentro de um carro. Temos, também, Scott Eastwood, no entanto aqui o ator não se enquadra muito bem com a sua personagem. E como não falar de Vin Diesel? O homem é imparável, não há ninguém que lhe consiga fazer frente. Se toda a equipa dos Vingadores da Marvel o enfrentasse, eu ficava preocupado com eles, já que parece que nada consegue pará-lo.
Claro que o filme não é uma obra-prima do cinema, nem o tenta ser, pois apresenta falhas (e não são poucas). Mas, dentro do seu estilo, consegue ser divertido e, se gostaram dos anteriores, é praticamente certo que também irão gostar deste.


Sem comentários:

Enviar um comentário