20/04/2017

A Bela e o Monstro (Beauty and the Beast - 2017)



                Chega a vez de “A Bela e o Monstro” ter o seu tratamento para imagem real, a cargo da Disney. Só que, ao contrário de “Cinderela” e “O Livro da Selva”, estamos perante um nomeado ao Óscar de melhor filme, a primeira animação a conseguir esse feito, e vencedor nas categorias musicais. Além disso, é um filme adorado por muita gente, por isso, a exigência para esta nova versão são enormes.
                Em termos de história, a coisa não muda muito da animação, nem tem de o fazer. Mas, mesmo assim, temos mais cenas que servem para dar uma maior profundidade às personagens. Por exemplo, agora vemos o momento da transformação do príncipe, o destino dos habitantes do castelo caso a maldição não seja quebrada a tempo e um pouco sobre o passado da mãe de Belle. Estes incrementos até foram bem-vindos, tirando a última parte, cuja forma como foi executada deixou muito a desejar e e foi completamente desnecessária.
                O elenco está impecável, principalmente Luke Evans e Josh Gad como Gaston e LeFou respetivamente, que parecem tirados diretamente da animação mas ao mesmo tempo conseguem se diferenciar. Dan Stevens, como a Besta, faz um bom trabalho; é verdade que muito do trabalho deve-se aos efeitos especiais aplicados mas, mesmo assim, dá para notar as diferentes reações e interações com os outros elementos. Emma Watson, cuja atribuição do papel pode não ter agradado a todos, consegue fazer uma interpretação impecável, espelhando uma Belle forte e independente, algo que Watson sempre defendeu. Mesmo nos momentos musicais não há grandes falhas a apontar. É verdade que poderá não ter a mesma qualidade de Paige O'Hara na animação mas, mesmo assim, não desaponta.
                Por falar nos momentos musicais, tem todos os clássicos do original e alguns originais, que encaixam relativamente bem. Uma coisa que foi uma desgraça, mas uma de um tamanho monumental, foi a tradução das mesmas. Não são poucas as vezes em que a tradução não é coerente nem nada tem a ver com o que está a ser dito e, tendo em conta que estamos num musical, isso é grave. Os efeitos especiais, embora não ao nível de “O Livro da Selva”, estão muito bons, principalmente todos os habitantes não humanos do castelo, que estão com um grande detalhe e muito credíveis. Mesmo a Besta está bem representada, só que tem uma pequena falha: não consegue ser assustadora, ao contrário do que acontece com a animação.
                Mesmo não sendo o que foi o filme de 1991, este é um filme que merece ser visto.


16/04/2017

Velocidade Furiosa 8 (The Fate of the Furious - 2017)





                Temos mais um Velocidade Furiosa, sendo o primeiro filme desde a morte de Paul Walker. Sem grandes surpresas, a saga de Dom e a sua família continua. Com o decorrer dos filmes, a escala de ação tem aumentado cada vez mais e isso tem resultado, pelo menos, em termos de bilheteiras, já que tem aumentado consideravelmente os lucros. Será que se conseguem ultrapassar tais marcos mais uma vez?
                Quando Cipher, uma ciber-terrorista, seduz Dom para uma vida de crime, à qual ele parece não conseguir escapar, surge um conflito com todos aqueles que lhe são próximos.
                Uma coisa é certa. O filme, tal como os outros, é muito divertido. Aqui, o realismo e as leis da física não existem e é, por isso mesmo, que se consegue passar um bom momento no cinema. É que, ao contrário de outras sagas (como em “Transformers”), todo o realismo é aceite pois já temos uma ligação com as personagens e já não nos admiramos com as suas proezas. E, como foi mostrado no trailer, desta vez temos um submarino para derrotar! O que vai ser a seguir? O espaço? É esperar e aguardar. Mas, ao menos, aqui temos mais corridas e ação com carros, algo que estava com tendência a diminuir.
                Pelo que vemos, tudo certo que parece que Dom está contra a família. Mas este também não é o primeiro filme que vemos, por isso, facilmente se consegue descobrir que, no fim, tudo volta ao lugar devido. No entanto, o conflito e tensão foram bem criados e, quando vemos Dom contra, basicamente, toda a gente, vemos cenas de ação muito bem conseguidas.
O gang habitual está de volta, com o agora recorrente Dwayne Johnson e com o vilão do filme anterior, Jason Statham. É, aliás, entre estes dois que temos muita da comédia de todo o filme. Os restantes elementos pouco acrescentam às suas personagens - também não era preciso muito, basta que se os seus papeis se mantivessem constantes. Em termos de novas entradas, temos a nova vilã, interpretada por Charlize Theronm que, de facto, é uma boa adição sendo uma presença intimidante; só é pena nunca entrar dentro de um carro. Temos, também, Scott Eastwood, no entanto aqui o ator não se enquadra muito bem com a sua personagem. E como não falar de Vin Diesel? O homem é imparável, não há ninguém que lhe consiga fazer frente. Se toda a equipa dos Vingadores da Marvel o enfrentasse, eu ficava preocupado com eles, já que parece que nada consegue pará-lo.
Claro que o filme não é uma obra-prima do cinema, nem o tenta ser, pois apresenta falhas (e não são poucas). Mas, dentro do seu estilo, consegue ser divertido e, se gostaram dos anteriores, é praticamente certo que também irão gostar deste.