20/02/2018

A Forma da Água (The Shape of Water - 2018)



                Sendo grande fã de Guillermo del Toro, acho incrível e muito merecedor toda a atenção que o realizador está a ter com este “A Forma da Água”. Mas, não sei porquê, este não foi um filme que me levou a correr para as salas de cinema… Tem tudo aquilo que gosto dele, toda a fotografia e ambiente são os caraterísticos e tem sempre aquele elemento mágico. Talvez, por ser uma história de amor, não me tenha puxado tanto, mas vamos lá ver o que se espera daquele que tem 13 nomeações para a noite dos óscares.
                Numa instalação secreta dos anos 60, uma mulher das limpezas muda cria uma relação única com uma das criaturas lá detidas.
                E foi exatamente aquilo que estava à espera. Tem toda a magia de um mundo criado por del Toro, mas a história não me entusiasmou tanto como parece a toda a gente. A relação e o modo como Elisa e a criatura interagem - já que Elisa apenas consegue comunicar com linguagem gestual - consegue ser algo diferente do que temos visto habitualmente. Esta é uma relação credível pois Elisa, que tem dificuldade em se relacionar com outras pessoas para além do seu vizinho e de Zelda, consegue estabelecer uma relação com alguém que também é diferente e que está a ser maltratado.
                As personagens estão muito bem desenvolvidas, desde os protagonistas até ao vilão. Michael Shannon tem um grande papel como o antagonista, um que entendemos os motivos e que conseguimos, até em algumas alturas, simpatizar.
                Guillermo del Toro consegue, mais uma vez, criar um mundo muito dele e que vale a pena ver. Assumo que todas as nomeações a ele associadas são merecidas. Contudo, mesmo tendo gostado da história, não me parece que seja com este filme que o realizador vai conseguir levar a estatueta, pelo menos é o que me dizem as entranhas…


Sem comentários:

Enviar um comentário